“Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor.” (Cora Coralina)

25 de outubro de 2011

A Meditação do Riso

É sabido que qualquer estado emocional intenso aumenta nossas defesas imunológicas através de um breve pico de imunoglobulina, sendo que as emoções positivas, como o bom-humor e a compaixão, sustentam por períodos longos os efeitos imunes, enquanto que os estados emocionais negativos tais como a raiva, são logo seguidos por uma queda na imunidade. 
E mais, quando as pessoas se envolvem em comportamentos associados com a empatia, bom-humor e compaixão, seus corpos produzem mais do hormônio oxitocina, provocando sentimentos de ligação e vínculo, fato que indica que um comportamento compassivo provoca uma reação química no organismo que nos motiva a ser mais compassivos, mais empáticos.
Parece-me que a ciência está decifrando os sábios conhecimentos empíricos que indicavam que nosso comportamento “atrai boas ou más vibrações”.
O riso tem o poder mágico de trazer à tona conteúdos da sua essência, da fonte interior. Um passaporte para subir num balão, em questão de segundos, uma energia nova começa a fluir, acompanhada pelo riso e leveza inerente a ele.
Você já observou que quando está rindo, de verdade, durante aqueles poucos instantes, acontece um profundo estado meditativo? O estar no corpo torna-se absolutamente óbvio. As pernas amolecem (não precisa chão), o pensa­mento pára. É impossível rir e ter as pernas e joelhos travados. Você necessariamente flexiona, amolece todo o corpo.
É impossível rir sem ter a vontade de olhar para o alto. Sem lacrimejar, sem fechar e abrir os olhos. Um exercício natural para limpar a visão, a janela da alma. 
É impossível rir sem sentir vontade de colocar as mãos no plexo e coração. Aliás, os batimentos e oxigenação aumentam, o corpo fica mais quente.
E por último: é impossível rir e pensar ao mesmo tempo. São fenômenos diametralmente opostos: ou você ri ou você pensa. Se você ainda estiver pensando, significa que o riso é apenas superficial, defasado. Será um riso cortado, desconectado da fonte e da alegria. Significa que o risômetro NÃO está frouxo ainda.
Quando você ri de verdade, realmente, do nada, ou de tudo, a mente DESLIGA. E nesse sentido o riso pode ser uma divertida forma de acessar um estado de não-pensamemo. Naturalmente. Da mesma forma quando dançamos. Rir e dançar são formas naturais, facilmente disponíveis, gratuitas, de parar a mente. Se você dançar realmente, o pensamento pára.
Na leveza do riso e da dança podemos esquecer do corpo: onde ele começa, onde ele termina? Ao mesmo tempo podemos ficar tão no corpo, tão nas percepções, nas sensações, na meditação, que esquecemos de pensar, julgar, criticar, negar. Lá do fundo vem uma força propulsora que nos torna leves e gratos. Daí em diante torna-se mais fácil rir e dançar, celebrar e agradecer.
Você se funde com a existência e a existência se funde com você. E se você estiver realmente rindo - não conduzindo, mas permitindo que ele te possua - se você é possuído pelo prazer e leveza do riso, o pensamento pára.
E quando você voltar para a vida, voltar a pensar, é como quando recomeçamos um computador: está tudo pleno, fresh, consertado. Todos os programas abrem, tudo funciona: as idéias chegam!!! 

Simples Mente Feliz - Conceição Trucom

9 de outubro de 2011

TRIBUTO AO TEMPO



“Dizem que a vida é curta, mas não é verdade.
A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades.
E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança tranqüila brincando de esconde-esconde. Infelizmente às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando ‘NÃO’: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos.
A vida é mais emocionante quando se é ator e não expectador, quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria. E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos. Esta mensagem é um tributo ao tempo. Tanto aquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto aquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro. Porque a vida é agora.
Não tenha medo do futuro, apenas lute e se esforce ao máximo para que ele seja do jeito que você sempre desejou.
A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos.”
(Dalai Lama)

7 de outubro de 2011

Faço e recomendo

Cursos no Mente Sadia - Terapias e Estudos
Rua General Roca, 826 / cob. 01 - Tijuca - Tel: (21) 2568-5635

Professor: João Pennafort


Toda terça:
- 10:00 as 12:00h - Prática de projeção astral
- 13:00 as 15:00h - Mestres Ascensionados
- 17:00 as 19:00h - Leis Universais (selecionadas pelo Mestre El Morya)

Toda quarta:
- 13:00 as 15:00h - Desenvolvimento da consciência
- 17:00 as 19:00h - Expansão da consciência

Custo por curso - R$ 10,00 (dez reais), você pode participar de quantos quiser.

Todos os cursos são finalizados com meditação.

Palestras gratuitas:
- Toda última terça do mês - 17:00 as 19:00h
- Toda última quarta do mês - 13:00 as 15:00h

Aproveitem essa oportunidade de crescimento pessoal!!!